segunda-feira, 13 de julho de 2015

o ponto de situação

E eu não podia estar mais de acordo com o que disseram os meninos do Alma e Coração:
 
Cada vez mais percebemos que não há pressa imediata em partilhar o que fazemos no momento
que o estamos a fazer. As memórias têm de amadurecer, temos de pensar no caminho e na história
que queremos contar, refletir sobre o que esta experiência nos fez viver e depois de tudo isso,
sim partilhar. Hoje existe no mundo “desenvolvido” uma ansiedade enorme em darmos a conhecer
tudo o que fazemos, pensamos, vemos e visitamos no momento que o estamos a fazer, é quase
como o assumir que o momento só se torna real e vivido se for partilhado pelos diversos meios,
com o tempo vamo-nos apercebendo que é precisamente o contrário, o silêncio faz com que o
vivido se torne bastante mais intenso e se possa trilhar e amadurecer a “uva” que queremos colher
e que a “colheita” saia por si bem mais intensa e saborosa do que algo feito sem parar, sem pensar.
Por isso e porque a vida assim nos ensinou deixámos de ter pressa neste campo, temos "pressa"
em ser verdadeiros e viver rodeado de pessoas verdadeiras. Isso é uma certeza!
 
Não, não é uma desculpa pela minha ausência. É sim uma forma bastante sensata de ver as coisas. De pararmos para pensar, amadurecer, relaxar deste mundo com pensamentos a mil à hora.
Entretanto...a Sofia caminha para os seus lindos 5 meses. Prometo falar-vos sobre isso num próximo post.

3 comentários:

Blog dos Petizes disse...

Post muito bonito e concordo com tudo o que está escrito...Temos tempo de partilhar, saborear o momento é o mais importante...Ainda ontem fui para a praia com os meus filhos, só à pouco é que o partilhei porque gostava que fosse domingo outra vez...foi uma forma de reviver o momento.

Raquel Caldevilla disse...

Como te entendo, querida andorinha. É a pressa de viver. :)

t. o.m. disse...

que beleza de baby! como se diria no porto, que riquinha!!