sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Por favor S. Valentim, podes tomar conta deles por mim, podes? De todos eles, está bem? Obrigada.

Não, não vou falar do dia de S. Valentim. Não, não vou colocar dicas, prendas para ele e para ela e sítios tipo motéis para passarem a noite (passem mas é em casa que vão ver que é mais económico e romântico. Mas vocês é que sabem. Atenção que não me quero meter nas vossas vidas, estamos entendidos? Hmmm). E não, também não vou encher-vos de imagens de corações e lingerie sexy e outras coisas sexys que vi mas que não posso agora contar, não vá este blogue com um nome tão querido como é ser lido por miúdos. Aliás, se forem ler a história do famoso S. Valentim, vão perceber que foi decapitado neste preciso dia. Pois, hoje celebra-se a morte deste homem que antes ainda passou pela prisão e teve uma namorada cega que ficou curada quando se apaixonaram. E decapitação não é uma coisa muito bonita para se falar num dia que se quer romântico, pois não? Também acho.

Pasmem-se e interiorizem bem esta minha dica: eu sou daquelas que gosto dos outros dias, os normais. Gosto de oferecer quando me lembro. Mas não fiquem a pensar que não sou romântica. Sou e muito. Só não gosto dos restaurantes com cardápios mais caros que o normal, das flores mais caras que o normal, do oferecer só porque tem de se oferecer.
Mas, para vocês verem que até existe romantismo lá em casa, aqui vai uma pequena descrição de como será passada a nossa noite: faremos o jantar lá em casa, os dois (como o habitual); mesa posta e panela ao lume (na verdade, o arroz de marisco será feito na Bimby, mas achei que ficaria mais bonito um panela ao lume). Beberemos um bom vinho (como o habitual). Brindaremos à felicidade, nossa e da humanidade que temos o coração grande. Depois relaxaremos no sofá e veremos mais um episódio do Breaking Bad (como o habitual). Por isso, como podem constatar, será um dia como o habitual, ou seja, muito bom.

Sendo S. Valentim um santo, julgo estar no direito de lhe pedir umas coisas. Então vamos lá: querido S. Valentim, uma vez que zelas pelo amor e união, venho pedir-te que protejas sempre aqueles que amo. Todos, sem excepção, que eu gosto de muitas pessoas. Não vou dizer nomes, pois tu és santo e sabes tudo. Aquelas bem próximas, a começar pelo meu marido, meu irmão, meus pais, minha sogra e minha cunhada. Depois os amigos, todos aqueles que tu sabes que estão na minha vida. Dá-nos, a todos, muito amor; paciência (para aqueles dias em que ela quase se esgota) e compreensão. Por favor S. Valentim, podes tomar conta deles por mim, podes? De todos eles, está bem? Obrigada.

Nota 1: não vos quero estragar, de forma alguma, este dia com as minhas palavras. Vão lá encher os restaurantes que a nossa economia preciso de facturar. E peçam factura, sempre. Nunca se sabe se não nos sai um carrito.
Nota 2: também não quero que deixem de ir aos móteis nem de comprar lingerie sexy. Os homens apreciam estas coisas e, aqui só pra nós, também gostamos de nos sentir mais sexys de vez em quando.
Nota 3: só para informar que também pedi por vocês ao S. Valentim. Estão todos no meu coração.

2 comentários:

Raquel Caldevilla disse...

Adorei o texto com o apontamento em tom de sorriso :)*

Sónia TM disse...

Cada um passa do seu jeitinho o que importa é nos sentirmos bem ;)

Sónia
Taras e Manias